Projetos de professores de artes da educação básica são premiados por instituição

Prêmio tem parceria da Unesco e busca valorizar metodologias transformadoras

O prêmio Arte na Escola Cidadã é o único exclusivo a professores de artes de escolas públicas e privadas que lecionam na educação básica brasileira. Em sua 19° edição, foram premiados cinco professores da rede pública e duas menções honrosas, sendo uma para professora de escola particular.

O prêmio é uma iniciativa do Instituto Arte na Escola, que tem como parceira a Unesco. O objetivo é valorizar e incentivar projetos voltados para artes visuais, teatro, dança e música.

Entre os prêmios para os vencedores estão R$10 mil e vivências culturais na cidade de São Paulo. As escolas em que os professores lecionam receberão computadores ou câmeras fotográficas e livros de arte-educação.

Os projetos inscritos foram avaliados em três etapas: locais e regionais, em que professores de artes de universidades analisaram e uma comissão nacional de especialistas em artes e educação.

O projeto para a educação básica vencedor foi o “Em busca de sonhos: para além das imagens”, da professora Sonia Maria de Oliveira Ferreira, do CMEI Santa Rita de Cássia, Vitória, ES. “África aqui, acolá. África em todo lugar”, da professora Rosangela Accioly Lins Correia, da escola Municipal do Loteamento Santa Júlia, localizada em Lauro de Freitas, BA, foi premiado na categoria ensino fundamental 1.

Andréa Mendes Avona, de Santana de Parnaíba, SP, é professora no colégio municipal governador Mário Covas Júnior e foi a vencedora do ensino fundamental 2 com o projeto “Uma viagem com Ariano Suassuna pela cultura e arte nordestina”.

“Projeto Conteúdos”, do professor Jacson Silva Matos, capital paulista, foi o premiado do ensino médio, que leciona na escola estadual Prof. Fidelino de Figueiredo. O ganhador da categoria educação de jovens e adultos foi Marcos Antônio dos Santos, do Centro de Educação de Jovens e Adultos de Criciúma, SC, com o “Autorretratos: tecendo histórias e memórias”.

As menções honrosas ficaram para o “Curta-metragem, curta! Luzes, Câmera, Há Som” na categoria ensino fundamental 1, da professora Roseli Novak, colégio Renascença, capital paulista e para “Projeto Sankofa”, do ensino fundamental 2, do João Alberto Rodrigues, professor na escola estadual Dr. Gustavo Armbrust, Porto Alegre, RS.

Projeto “África aqui, acolá. África em todo lugar”, da professora Rosangela Accioly ,foi premiado na categoria ensino fundamental 1 (foto: divulgação)

A professora Rosangela Accioly, que venceu na categoria ensino fundamental 1, explica que seu projeto foi anual e criado para aplicar a Lei 10.639, de 2003 e 11.645, de 2008, que exige que as escolas incluam no currículo “História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena”, com alunos de 8 anos. Ela afirma que escolheu uma linguagem pluricultural e artística para transmitir conhecimento. “Um exemplo foi as oficinas sobre as abayomis, que são bonecas feitas com retalhos de tecidos que as mães quando vieram ao Brasil dentro dos navios negreiros cortavam os retalhos de seus vestidos e faziam bonecas para seus filhos. As crianças puderam ressignificar fazendo esse trabalho”.

Mais informações acesse o site do prêmio aqui = http://artenaescola.org.br/hotsites/premio2018/

Fonte: http://www.revistaeducacao.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *